Monthly Archives: January 2016

Vida que cegue

E então fecha a porta. Sem bater e nem trancar. Sem tchau. Mas a certeza do definitivo. Sem medo de disfarçar a insegurança. Com todo o amor bem escondido no passado e na razão. Leva o disco do pink floyd, … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment

É claro, é menina

Pela posição dos corpos. Celestes. Pela lua cheia. Pelo grito. Pelo uivo. Por um quase. Por um x. É claro, é menina. Pela barriga redonda. Pela colher. Pelo doce. Vontades de menina. Pela soma. Ímpar. É claro, é menina. Não … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment

O bebê-diabo nasceu no abc

O bebê-diabo nasceu no abc. 36 semanas. Nasceu ao ponto. Bem vermelhinho, mas sem sangrar. 66 centímetros. E ria que só. Nasceu rindo, a mãe chorava. Parto natural. Nasceu por baixo, rasgando com os chifres. Nasceu com rabo, nasceu falando. … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment

Ménage

A tríade da semiótica na cama Signo, significante e significado Ícone, índice e sexo Três intensidades que se complementam E se fecham em um único ser.   Um triângulo escabroso e escaleno obtuso e obsceno   Três medidas em um … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment