A suicida de janelas baixas

Quando Helena sobe com os dois pés no puleiro do seu quarto, Helena vira sininho. Vira enfeite de varanda, daqueles que o vento bate e transforma em canção.

De lá, Helena balança mais alto, flutua além do segundo andar e vê a vida de cima. Vê vizinhos que vacilam sobre o skate, vê a velinha viúva com o seu poodle, vê a dona Vera varrendo a calçada, vê um viajante com seu mapa, vê um casal que há muito não se via. Vê a vida que falta na sua vida. Vê que sua vida não vale ser vivida. Helena é uma suicida de janelas baixas.

Veio o vento, violento. Helena voou.

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s