De culpa, de dentro

Uma alma que apita

E quer falar

Uma alma traçada

No nascimento

Uma vida

Pra morrer cada passado

Que marca a cicatriz

E repete em prazer

A dor da ferida

Na esperança de transformar

Através do castigo

O pecado de sentir

A paz de sade

Que ri e sabe

Que o sofrer é prazer

Prazer de intenção

Prazer de poder

Que domina

Como desde menina

Sempre teve qualquer um

Na sua mão

Na sua sina

Desde mãe

E recebe o nó

Do apego

Em troca de opressão

Uma alma de puta

Que peca

Com padre

Com culpa

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s