Ponto de bala

Sim.

É isso.

E ponto.

Era exatamente.

Um ponto.

Um final.

Ponto.

Ponto é morte.

Morte é liberdade.

Ponto é ponte pra vida que quiser.

Quando quiser.

Depois do click.

Do grito.

Do não.

Meu ponto é bala que encaixa no fim do buraco do cano, morrendo de vontade de sair, cruzar, cortar a carne e o limite até encontrar de novo o buraco final.

Encaixada.

Quieta.

É munição, tiro morto ainda resiste e espera o próximo.

Os pontos nunca tem um final.

Muito pontos prontos.

Para correr e para parar.

Quando eu quiser.

Respirar.

Morrer.

Criar.

Parar.

E ponto.

.

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s