Minha palavra é suja de sangue

Mas não desse sangue limpo

Vermelho

De veia furada a todo vapor

 

É sangue que acumula

Que hiberna

E é expelido na falta

De ser fecundado

 

Meu verso é aborto

Morre na metade

Dá pena e raiva

Fede e dá nojo

 

Minha poesia

É hormonal

Como uma histeria

Que a gente ignora

 

Não é natureza

Mas é natural

De raiz

E alma

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s